terça-feira, 29 de janeiro de 2008

+ detalhes....

LEMBRANÇA ALTERADA DE SLUGHORN

LILÁ BROWN
Esse é o meu uon-uon.

HERMIONE
Com licença, eu tenho que ir vomitar.

Enquanto Hermione se retira, Harry observa Gina de longe, em um canto, sentada enquanto Dino ri com Simas. Olhando para frente, ela vê Harry e acena discretamente. Ele acena de volta e CORTA PARA:

86 INT. DO ESCRITÓRIO DE DUMBLEDORE - NOITE:

ROSTO DE HARRY AFUNDANDO NA ÁGUA, QUEBRANDO A SUPERFÍCIE …

87 INT. DO ESCRITÓRIO DE SLUGHORN/ANOS ATRÁS - NOITE:

Nós emergimos das chamas crepitantes de uma lareira. Um bem-mais-novo e muito-mais-bem-vestido-Slughorn segura um prato de abacaxis cristalizados enquanto mantém uma conversa com um Tom Riddle de 16 anos e mais outros cinco rapazes. O relógio de cristal fica numa mesa ao lado.

TOM RIDDLE
Senhor, é verdade que a Professora Merrythought está se aposentando?

Slughorn ri baixo e aponta um dedo sujo de açucar para Riddle.

SLUGHORN
Ora, Tom, eu não poderia te contar se eu soubesse, não é? Eu devo dizer, meu garoto, que adoraria saber de onde você tira essas informações. Sabe mais das coisas do que a metade dos empregados, você. (enquanto os outros rapazes riem) A propósito, obrigado pelo abacaxi - você estava certo, é o meu favorito. - como você sabia?

TOM RIDDLE
Intuição.

Riddle sorri, mas sua expressão indica que sua “intuição” não tivera nada a ver com aquilo. Slughorn riu, um tanto desconfortável.

SLUGHORN
Santo Deus, olha a hora!
Podem ir, rapazes, ou o professor Dippet nos colocará todos em detenção! Lestrange, Avery,
não esqueçam suas redações…

Enquanto os outros se retiram, Slughorn se ocupa com alguns papéis até que — Ping! — ele se vira e descobre que Riddle continua ali, parado ao lado do relógio.

SLUGHORN
Seja sensato, Tom. Você não quer ser pego fora da cama numa hora dessas…

TOM RIDDLE
Eu conheço um ou dois atalhos…

SLUGHORN
Sim, eu acredito mesmo que conheça. Alguma dúvida em mente?

TOM RIDDLE
Sim, senhor. Eu não consegui pensar em mais ninguém a quem me dirigir. Os outros professores, eles… não são como você e… Poderiam… Entender mal.

SLUGHORN
Continue.

Riddle tira o anel de sua mão esquerda e começa a passá-lo por entre seus dedos. Ele possui uma pedra negra.

TOM RIDDLE
Eu estava na biblioteca outra noite, na Seção Restrita, e li algo meio estranho sobre um tipo de mágica rara… E eu pensei que, talvez, o senhor pudesse me esclarecer…

Imediatamente, uma densa neblina cobre a sala e a voz de Slughorn se torna um bravo grito agudo:

SLUGHORN
Eu não sei nada sobre esse tipo de coisa e eu não te diria mesmo que soubesse! Agora, saia daqui de uma vez e não me deixe sequer te ver MENCIONANDO isso de novo!

A neblina fica mais densa e…

88 INTERIOR DO ESCRITÓRIO DE DUMBLEDORE- NOITE

A câmera surge de dentro da penseira, Harry ergue sua cabeça para encontrar os olhos de Dumbledore, estudando-o.

DUMBLEDORE
Confuso? Eu estaria surpreso se você não estivesse.

LEMBRANÇA VERDADEIRA DE SLUGHORN

DUMBLEDORE
Como ele está? Horácio?

Harry encolhe os ombros. Dumbledore assente, então junta suas mãos. Um LONGO barbante fica suspendido como vidro. Uma pérola se forma… e enquanto fica pendurada… Os olhos de Harry se movem, observam um DESENHO na mesa de Dumbledore, um dos desenhos de Tom Riddle vistos no orfanato, da CAVERNA e da reconhecível ILHA. Então… a pérola cai. [Isso é provavelmente a memória de Slughorn caindo na Penseira]

[CENA] 116 - INT. - ESCRITÓRIO DE SLUGHORN/ANOS ATRÁS - NOITE

Como antes. A CHAMAS CREPITANTES do FOGO. Slughorn, um círculo de seis [pessoas]. Riddle comandando a sala.

TOM RIDDLE
Senhor, é verdade que a Professora Merrythought está se aposentando?

Slughorn ri baixo e aponta um dedo sujo de açúcar para Riddle.

SLUGHORN
Ora, Tom, eu não poderia te contar se eu soubesse, não é? Eu devo dizer, meu garoto, que adoraria saber de onde você tira essas informações. Mais conhecedor das coisas do que metade do corpo docente, você é. (enquanto os outros rapazes riem) A propósito, obrigado pelo abacaxi - você estava certo, é o meu favorito. - como você sabia?

TOM RIDDLE
Intuição.

Riddle sorri, mas sua expressão indica que intuição não tivera nada a ver com aquilo. Slughorn riu, um tanto desconfortável.

SLUGHORN
Santo Deus, olha a hora!
Podem ir, rapazes, ou o professor Dippet nos colocará todos em detenção! Lestrange, Avery, não esqueçam suas redações…

Enquanto os outros se retiram, Slughorn se ocupa com alguns papéis até que — Ping! — ele se vira, descobre Riddle ainda ali, parado ao lado da ampulheta de cristal.

SLUGHORN
Seja sensato, Tom. Você não quer ser pego fora da cama numa hora dessas…

TOM RIDDLE
Eu conheço uma ou duas passagens secretas…

SLUGHORN
Sim, eu imagino que conheça. Está pensando em algo, Tom?

TOM RIDDLE
Sim senhor. Eu não consegui pensar em mais ninguém a quem me dirigir. Os outros professores, bem, eles não são como você. Eles poderiam… Entender mal.

SLUGHORN
Continue.

Riddle tira o ANEL de sua mão esquerda e começa a passá-lo por entre seus dedos. Ele possui uma PEDRA NEGRA.

TOM RIDDLE
Eu estava na biblioteca outra noite, na Seção Restrita, e li algo meio estranho sobre um tipo de magia rara, e eu pensei que talvez o senhor pudesse me esclarecer. É chamada, conforme eu entendi… uma Horcrux.

O sorriso fraco de Slughorn se evapora totalmente.

SLUGHORN
Perdão?

TOM RIDDLE
Horcrux. Eu passei pelo termo enquanto lia e eu não entendi exatamente.

SLUGHORN
Eu não tenho certeza sobre o que você estava lendo, Tom, mas isso é Artes das Trevas, muito sombria mesmo.

TOM RIDDLE
Sim senhor. É por isso que eu vim até você. Não querendo desrespeitar o resto dos professores, mas eu pensei que se alguém pudesse me dizer… seria você.

Slughorn franze as sobrancelhas, claramente perturbado, então fala calmamente.

SLUGHORN
Uma horcrux é um objeto no qual uma pessoa pode encerrar parte de sua alma.

TOM RIDDLE
Sim, eu pensei que poderia ser algo assim. Mas eu não entendi como isso funciona, senhor.

SLUGHORN
A pessoa divide sua alma e esconde parte dela em um objeto. Fazendo isso, você fica protegido se for atacado e seu corpo destruído.

TOM RIDDLE
Protegido?

SLUGHORN
Essa parte de sua alma que foi escondida continua viva. Em outras palavras, você não pode morrer.

Riddle assente e VIRA-SE, se encarando no ESPELHO na parede oposta. Um indício de VERMELHO brilha em seus olhos.

TOM RIDDLE
Como alguém divide sua alma, senhor?

SLUGHORN
Eu acho que você pode adivinhar a resposta para essa, Tom.

TOM RIDDLE
Homicídio.

SLUGHORN
Sim. Assassinatos rasgam a alma. É uma violação contra a natureza. Depois, a pessoa nunca será a mesma.

TOM RIDDLE
Por curiosidade, senhor — você só pode dividir a sua alma uma vez? Por exemplo, não é sete o número mágico mais poderoso –

SLUGHORN
Sete! Pelas barbas de Merlin, Tom! Não é mau o suficiente pensar em matar uma pessoa? Rasgar a alma em sete pedaços…
(parando; preocupado)
Isso é tudo hipoteticamente, não é, Tom? Tudo acadêmico…

TOM RIDDLE
Claro, senhor. E eu prometo que não falarei de nossa conversa. Será o nosso segredinho…

Riddle estende a mão e segura com os dedos a CHAMA de uma vela, matando-a. Enquanto a FUMAÇA SOBE, nós nos DISSOLVEMOS na…

117 - INT. - ESCRITÓRIO DE DUMBLEDORE - MESMO TEMPO - NOITE

…superfície da penseira, na qual Riddle tremeluz. Nós MUDAMOS O FOCO e o rosto incomodado de Dumbledore aparece através do de Riddle.

HARRY
Senhor –

Dumbledore mantém sua mão atrofiada levantada, silenciando-o, e se afasta. Harry o estuda, esperando, o silêncio palpável.

DUMBLEDORE
(assombrado)
Isso está além de qualquer coisa que eu tinha imaginado. Em minha vida eu vi coisas que eram horrivelmente inimagináveis. Agora eu sei… você verá piores.

Dumbledore desviou o olhar, seus olhos distantes. Harry olha-o com atenção, assim como os DIRETORES em suas molduras acima. Finalamente, cautelosamente, Harry fala.

HARRY
Você quer dizer que ele teve sucesso, senhor? Em fazer uma Horcrux?

DUMBLEDORE
Ah, ele obteve sucesso. E não apenas uma vez. Pense, Harry. Ele acabou de nos contar.

HARRY
Sete. Ele fez sete — o número mágico mais poderoso. Mas… o que são elas, exatamente?

DUMBLEDORE
Elas podem ser qualquer coisa. O mais comum dos objetos. Um anel, por exemplo. Ou um livro…

Dumbledore puxa uma gaveta, retira o ANEL e o DIÁRIO golpeado de Tom Riddle.

HARRY
O diário de Tom Riddle –

DUMBLEDORE
É uma Horcrux, sim. Há quatro anos, quando você salvou a vida de Gina Weasley na Câmara Secreta, quando você me trouxe isso –
(segurando o diário)
Eu soube. Isso era um tipo diferente de magia. Muito sombria. Muito poderosa. Mas até essa noite eu não tinha idéia do quão poderosa…

HARRY
E o anel…?

DUMBLEDORE
Pertenceu à mãe de Voldemort. Foi difícil de encontrar e…
(levantando sua mão danificada)
…ainda mais difícil de destruir.

HARRY
Mas se você puder achar todas elas. Se você puder destruir cada Horcrux…

DUMBLEDORE
Alguém pode destruir Voldemort.

Harry começa a estender a mão para o anel…

HARRY
Mas como vocÊ poderia encontrá-las? Elas podem estar em qualquer lugar, não podem…

DUMBLEDORE
Verdade. Mas magia, especialmente Magia das Trevas…

Nesse momento, quando a pele dos dedos de Harry fazem contato com o anel, IMAGENS passam em VERTIGINOSA sucessão: ROSTO DE VOLDEOMORT contorcido de dor. Uma CASA ABANDONADA no fundo de uma clareira assombrada. Uma TAÇA ANTIGA, brilhando quando ele cai da mão de uma mulher velha. UMA COBRA (NAGINI) deslizando através da grama úmida. Dumbledore deslizando o anel em seu dedo, horrorizado enquanto sua pele se deteriora…

DUMBLEDORE (CONTINUAÇÃO)
…deixa rastros.

ESPASMOS na mão fechada de Harry, SOLTA [o anel]. O anel sacode através da mesa de Dumbledore e Harry leva sua mão até seu peito, um olhar de atordoamento em seu rosto. Dumbledore obesrva o anel girando devagar, em seguida olha de relance para Harry e estende lentamente sua própria mão, tocando levemente no centro do peito de Harry com as pontas de dois dedos queimados, como se lesse em braille, como se ele pudesse “ver” de alguma forma dentro do coração de Harry. Temor — e identificação — cintilam em seu rosto. Ele levanta os olhos, encontrando os olhos de Harry.

HARRY
É onde você tem ido, não é, senhor? Quando deixa a escola.

Os olhos de Harry se dirigem novamente ao cartão postal na mesa. Dumbledore retira sua mão, assentindo, ainda estudando Harry estranhamente, sua voz, quando vem, distante.

DUMBLEDORE
Sim. Eu acho… talvez… eu talvez tenha achado outra. Mas dessa vez eu não posso esperar destruí-la sozinha.

Harry perscruta nos olhos de Dumbledore. Dumbledore assente.

DUMBLEDORE
Mais uma vez, eu devo pedir muito de você.

118 - INT./EXT. - CORREDOR DA GÁRGULA - MAIS TARDE DO MESMO DIA

Harry está em uma janela, olhando para fora. Ele leva seus dedos ao seu peito novamente quando… Hermione chega atrás dele.

HERMIONE
Harry. Está na hora.

119 - INT./EXT. - PÁTIO - MOMENTOS DEPOIS - MAIS TARDE DO MESMO DIA

Harry, Hermione e Rony caminham.

HARRY
Hermione, a Sala Precisa é impertubável?

HERMIONE
Se alguém queira que ela seja. Por quê?

HARRY
Isso poderia explicar porque eu acreditava que Malfoy deixava o castelo quando ele desaparecia do Mapa. Ele estava indo à Sala Precisa.

HERMIONE
É claro, e isso explica o Armário Sumidouro também!

1 comentários:

TIXA disse...

São apenas rumores....mas me empolguei...

 
Conheça o ScarPotter.com!